Como funciona o construtivismo na sala de aula?

O ensino construtivista é um método de educação excepcionalmente interessante! Especialmente porque os alunos estão sempre envolvidos em atividades de aprendizado que os interessam e porque existe um contato muito mais próximo entre eles e o professor.

As possibilidades de atividades construtivistas são ilimitadas. É importante, no entanto, independentemente da área de estudo, ter o aluno como centro do processo educativo, fornecer tarefas suficientes para a sua escolha e incentivar as atividades produzidas por ele.

Somente desta forma uma escola será capaz de contribuir para a formação de sujeitos com senso crítico e capazes de lidar com os desafios do mundo.

Então, se você quer saber mais sobre como funciona o construtivismo na sala de aula, acompanhe o conteúdo a seguir!

O que é o construtivismo?

O que é o construtivismo?

O construtivismo é uma visão da aprendizagem baseada no princípio de que o conhecimento não é algo que pode ser simplesmente dado pelo professor na frente da sala aos alunos em suas mesas. 

Em vez disso, o conhecimento é construído pelos alunos através de um processo ativo e mental de desenvolvimento. Desta forma, os alunos são os construtores e criadores de significado e conhecimento. 

O construtivismo baseia-se no trabalho desenvolvido por Jean Piaget, e pode ser resumido pelos princípios:

  • Aprender, indispensavelmente, depende daquilo que já sabemos; 
  • Novas idéias ocorrem à medida que nos adaptamos e mudamos nossas velhas idéias;
  • Aprender envolve inventar idéias em vez de acumular fatos mecanicamente;
  • A aprendizagem ocorre quando repensamos sobre as idéias antigas e chegamos a novas conclusões sobre as novas idéias que conflitam com nossas idéias antigas. 

Uma sala de aula produtiva e construtivista, então, consiste em instruções ativas, centradas no aluno. Nessa sala de aula, o professor fornece ao aluno experiências que lhes permitem fazer hipóteses, prever, manipular objetos, fazer perguntas, pesquisar, investigar, imaginar e inventar. O papel do professor é então facilitar esse processo.

Segundo Piaget, a aprendizagem ocorre por uma construção ativa de significado, e não por receptividade passiva. Ele explica que quando nós, como aprendizes, encontramos uma experiência ou situação que conflita com nosso modo de pensar atual, é criado um estado de desequilíbrio ou desequilíbrio. 

Devemos, então, alterar nosso pensamento para restaurar o equilíbrio. Para fazer isso, entendemos as novas informações associando-as ao que já sabemos, ou seja, tentando assimilá-las em nosso conhecimento existente. 

Quando somos capazes de fazer isso, acomodamos as novas informações ao nosso modo de pensar antigo, reestruturando nosso conhecimento atual para um nível superior de pensamento.

Desta forma, segundo o construtivismo, é preciso que olhemos para o mundo através de construções ou padrões mentais que criamos.

Desenvolvemos maneiras de interpretar ou entender o mundo com base em nossas experiências. Quando encontramos uma nova experiência, tentamos ajustar esses padrões à nova experiência. Por exemplo, sabemos por experiência própria que, quando vemos um semáforo vermelho, devemos parar. O ponto é que criamos nossas próprias maneiras de ver o mundo em que vivemos, o mundo não as cria para nós.

Por que o construtivismo é tão importante?

Por que o construtivismo é tão importante?

Os currículos educacionais e os métodos de ensino estão mudando. Um componente do desenvolvimento atual de todos os currículos é a mudança no foco da instrução da metodologia de transmissão para uma metodologia transacional. 

Em um currículo tradicional, um professor transmite informações aos alunos que ouvem passivamente sobre os fatos. Em um currículo construtivista, por exemplo, os alunos estão ativamente envolvidos em seu aprendizado para alcançar novos entendimentos.

Desta forma, o ensino construtivista promove o pensamento crítico e cria alunos ativos e motivados.

O aprendizado em todas as áreas envolve inventar e construir novas idéias. Os pensadores construtivistas sugerem que a teoria seja incorporada ao currículo e advogam para que os professores criem ambientes nos quais as crianças possam construir seus próprios entendimentos.

Eles defendem também que uma abordagem construtivista seja usada para criar aprendizes autônomos e pensadores inquisitivos – que questionam, investigam e raciocinam. 

Uma abordagem construtivista libera os professores para tomar decisões que melhoram e enriquecem o desenvolvimento dos alunos.

Tudo Isso demonstra que o quanto o construtivismo é importante para os processos educacionais atuais.

Quais são as características de uma sala de aula construtivista?

Quais são as características de uma sala de aula construtivista?

As salas de aula construtivistas são estruturadas de modo que os alunos sejam imersos em experiências nas quais eles possam se envolver em investigações de significado, ação, imaginação, invenção, interação, hipótese e reflexão pessoal. 

Os professores precisam reconhecer como os estudantes usam suas próprias experiências, conhecimentos e percepções anteriores, bem como seus ambientes físico e interpessoal para construir conhecimento e significado. 

O objetivo é produzir um ambiente de sala de aula democrática que forneça experiências de aprendizado significativas para alunos autônomos. Em resumo, alguns dos principais atributos de uma sala de aula construtivista são: 

  • A instrução centrada no aluno em um ambiente democrático; 
  • Aprendizes ativos que constroem e criam significado e conhecimento; 
  • Alunos que levantam hipóteses, questionam, investigam, imaginam e inventam;
  • Alunos que refletem e fazem associações com conhecimentos prévios para alcançar novos entendimentos.

Qual é o papel do aluno em sala de aula construtivista?

Conforme dissemos anteriormente, uma sala de aula construtivista é uma sala de aula centrada no aluno. Ou seja, a centralização no aluno em sala de aula é claramente aparente em uma abordagem construtivista. 

Reconhecendo o significado das experiências únicas que cada um deles traz consigo, o professor, em uma abordagem centrada na resposta, procura explorar a transação entre o aluno e o texto para promover ou extrair uma resposta significativa.

Isso coloca o aluno em uma posição central na sala de aula, já que parece improvável que a exploração dessa transação não ocorra. 

A medida em que o professor se dispõe a abandonar a posição tradicional de autoridade única, ele legitima as experiências que todos os membros da classe trazem ao invés de considerar apenas aquelas experiências que ele traz consigo. 

A percepção e o efeitos resultantes na sala de aula são evidentes no reconhecimento dos alunos de que a discussão é legítima e envolve perguntas para as quais ninguém sabe a resposta. 

Não é um jogo de caça ao tesouro em que eles estão tentando adivinhar o que está na cabeça de seus professores, mas um processo que cria significado e conhecimento

De uma perspectiva construtivista, em que o aluno é percebido como criador de significado, abordagens centradas no professor e centradas no texto são substituídas por abordagens mais centradas no aluno, onde os processos de compreensão são enfatizados. 

Neste sentido, entender uma disciplina não significa memorizar as interpretações de outras pessoas, mas construir e elaborar por conta própria, dentro das restrições do texto e das convenções da comunidade do discurso em sala de aula.

Uma abordagem construtivista centrada no aluno coloca mais foco na aprendizagem dos estudantes do que na autoridade dos professores. Uma perspectiva tradicional se concentra mais na autoridade.

Do ponto de vista construtivista, o conhecimento ocorre por um processo de construção do conhecedor e a maneira como ensinamos deve se originar de como os alunos aprendem.

Qual é o papel do professor em sala de aula construtivista?

O professor construtivista e a sala de aula construtivista exibem várias qualidades discerníveis e marcadamente diferentes de uma sala de aula tradicional.

Um professor construtivista é capaz de incorporar de maneira flexível e criativa as experiências em andamento na sala de aula, na negociação e na construção de aulas com pequenos grupos e indivíduos.

O ambiente é democrático, as atividades são interativas e centradas no aluno, e os alunos são capacitados pelo professor que atua como facilitador.

Essa perspectiva de aprendizagem apresenta uma visão alternativa do que é considerado conhecimento, sugerindo que pode haver muitas maneiras de interpretar ou entender o mundo. 

O professor não é mais visto apenas como um especialista, que sabe as respostas para as perguntas que ele ou ela construiu, enquanto os alunos são solicitados a identificarem as construções de seus professores em vez de construir seus próprios significados. 

Conforme dito anteriormente, em uma sala de aula construtivista, os alunos são incentivados a usar experiências anteriores para ajudá-los a formar e reformar interpretações. 

No construtivismo, as próprias experiências e percepções dos alunos são trazidas para as atividades, de modo que, ao transacionar com esse texto, as realidades e interpretações que os alunos constroem são suas. 

Uma abordagem de resposta construtivista rejeita a idéia de que todos os alunos devem necessariamente ter a mesma interpretação sobre uma tarefa, sendo essa interpretação única a do professor ou de outra pessoa. Desta forma, uma abordagem de resposta permite que os alunos explorem interpretações variantes, sendo a interpretação do professor apenas uma possível interpretação na sala de aula.

Em uma sala de aula tradicional, existe uma barreira invisível e imponente, às vezes impenetrável, entre aluno e professor através do poder e da prática. Em uma sala de aula construtivista, pelo contrário, o professor e o aluno compartilham responsabilidades e decisões e demonstram respeito mútuo. 

O processo democrático e interativo de uma sala de aula construtivista permite que os alunos sejam ativos e autônomos. Usando estratégias construtivistas, os professores são mais eficazes. Eles são capazes de promover a comunicação e criar flexibilidade para que as necessidades de todos os alunos possam ser atendidas. Sendo assim, a relação de aprendizado em uma sala de aula construtivista é mutuamente benéfica para alunos e professores.
Gostou de entender melhor sobre como funciona o construtivismo na sala de aula? Então aproveite para entender melhor sobre como escolher uma escola infantil para o seu filho!

Gostou do texto? Não gostou? Comente abaixo!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *